Blog



Tratamento da Fascite Plantar através do Pilates

O paciente chega para a avaliação com a seguinte frase: “Tenho dor embaixo do pé, sinto dor no calcanhar e no meio do pé quando caminho” e no mesmo momento, nós iremos associar isso à Fascite Plantar.

Após análise dos sintomas e exame físico detalhado, provavelmente chegaremos à conclusão de que estamos certos. Isso, porque a Fascite Plantar é uma das patologias dolorosas que mais acometem o pé.

Segundo pesquisa de 2003, aproximadamente uma em cada dez pessoas terá dor calcânea ao longo da vida e afeta principalmente pessoas a partir dos 40 anos.

Sendo assim, algum dia iremos nos deparar com o paciente nessa situação no estúdio de Pilates. Vamos, então, conhecer melhor o mecanismo patológico e suas consequências, para podermos, assim, reconhecer e tratar da melhor forma a quem nos procura.

O que é a Fascite Plantar?

A Fascite Plantar é uma síndrome dolorosa em região subcalcânea, provocada por inflamação da fáscia plantar, e descrita erroneamente como esporão do calcâneo.

A fáscia se estende pela região do calcanhar e a cronicidade da fascite associada à sobrecarga continuada pode levar ao esporão, mas eles não são a mesma coisa.

O esporão é uma calcificação, localizada comumente em região de inserção tendínea e não é, necessariamente, doloroso, ao contrário da fascite que tem como característica principal a sensibilidade e a dor.

Essa patologia foi descrita inicialmente em 1812, e até hoje não tem etiologia totalmente esclarecida, podendo ser associada a diferentes fatores intrínsecos e extrínsecos.

Fisiopatologia

A fáscia é um tecido bem fibroso e pouco elástico.

Na fase de apoio da marcha, ao apoiar planta do pé, é gerada uma foça de tração na fáscia. Essa força é exercida repetidamente durante a caminhada e, dependendo da frequência e intensidade, pode provocar micro lesões e degeneração na origem da fáscia, junto ao calcanhar, desencadeando o processo inflamatório e gerando dor.

Em casos mais severos outras estruturas podem ser envolvidas, como o nervo medial do calcâneo e o nervo tibial posterior.

Sintomas

Como a Fascite Plantar é um processo inflamatório, os sintomas mais comuns estão associados aos sintomas de inflamação:

• Dor e Queimação na Região do Calcanhar e Arco Plantar

• Edema – presente ou não conforme Fase da Lesão

• Sensibilidade à Palpação

• Sensação de Rigidez

Mais especificamente o paciente com Fascite vai referir dor exacerbada na parte da manhã, ao levantar e iniciar a marcha, melhorando depois.

Também sentirá dor ao ficar em pé por longos períodos e alívio ao repouso breve (o repouso prolongado também pode provocar dor, pois a fáscia tende a se retrair quando não está sendo feito apoio do pé).

Além disso terá dor durante a prática de atividade física, principalmente as que envolvem impacto e dificuldade ao caminhar em função da sensibilidade local.

Fatores de Risco

Como citado anteriormente, a Fascite Plantar é provocada predominantemente por excesso de carga ou carga repetida sobre o calcâneo. Sendo assim, alguns fatores podem ser considerados de risco para o desenvolvimento dessa patologia.

Entre eles:

• Idade (acima de 40 anos)

• Tipo de Atividades de Vida Diária ou Atividade Física (estresse em calcâneo)

• Peso (obesidade aumenta carga em calcâneo)

• Alterações Morfológicas no Formato do Pé

• Tensão ou Processo de Tendinite em Tendão de Aquiles

• Fratura por Stress

Prevenção

De forma geral, o paciente deve manter o controle do peso corporal, adaptar a condição de trabalho, adequar o calçado utilizado, seja para trabalhar ou para praticar atividade física, e deve manter a saúde do músculo.

Mas como fazer isso?

Mantendo o equilíbrio da força, resistência e alongamento da musculatura, e nesse caso… alerta para os músculos da panturrilha!

Faz parte da prevenção ainda, o conhecimento sobre a patologia. A pessoa que entende um pouco sobre o processo de lesão pode ficar em alerta quando iniciar possíveis sintomas.

Como atingimos essa população?

Obviamente não conseguiremos educar a população “em massa”, mas a educação dos nossos pacientes com potencial para desenvolver os sintomas (e aí consideramos os fatores de risco) pode reduzir a chance de desenvolver a Fascite.

Principais causas da Fascite Plantar

Já comentamos que a etiologia da Fascite é multifatorial. As causas podem ser por fatores extrínsecos ou intrínsecos. A causa que acomete o maior percentual de pacientes é o esforço repetitivo (impacto) e sobrecarga da fáscia.

Esse impacto pode estar presente na rotina de trabalho, como, por exemplo, em trabalhadores que ficam muito tempo em pé ou caminham por longos períodos de tempo, ou também na rotina de exercícios como corredores de longa distância ou amadores.

Para ambas as situações o tipo de calçado tem grande influência para a exacerbação dos sintomas: estamos falando de sapatos com salto alto, calçados sem amortecimento ou com amortecimento inadequado.

Podemos associar, ainda, outros fatores: os intrínsecos, como fraqueza ou encurtamento dos músculos que executam a flexão plantar e os músculos adjacentes, além da morfologia do pé (pé cavo ou pé chato).

Quais tipos de Tratamento para a Fascite Plantar?

O tratamento é prioritariamente conservador, e costuma gerar bons resultados. O uso de analgésicos para dor e anti-inflamatórios para combater a inflamação pode ser receitado pelo médico.

A fisioterapia também traz benefícios importantes, até porque sabemos que os remédios tratam os sintomas, mas as intervenções mecânicas e funcionais tratam o problema.

Na fisioterapia são trabalhados os desequilíbrios encontrados na avaliação. Incluímos então:

• Métodos de Eletroterapia e Crioterapia para Analgesia e Recuperação Tecidual – laser de baixa intensidade e ultrassom se tornam uma boa pedida.

• Terapia Manual para Distensionamento e Relaxamento da Fáscia

• Alongamentos – Atenção para os envolvidos: Fáscia plantar, Gastrocnêmios e Solear

• Exercícios para Reforço Muscular e Exercícios para Correção da Marcha quando for o caso

Opa, alongamentos, exercícios e correção postural? E o Pilates? Ajuda? Claro, ajuda muito! Mas isso é assunto para o próximo tópico. Vamos voltar para as demais formas de tratamento.

Educação do Paciente

Isso mesmo, o “tema de casa” é importante parte do processo de recuperação. Devemos orientar os nossos pacientes quanto aos exercícios para fazer em casa, e a adequação da rotina diária quando isso estiver provocando a lesão.

Inclusive o repouso quando necessário, além de orientar a aplicar gelo, utilizar os calçados adequados e usar palmilhas ou órteses quando for o caso.

Terapias auxiliares são bem vindas, como a acupuntura e bandagens elásticas. E terapias médicas complementares também são utilizadas: aplicação de botox e infiltração de corticóides ou anestésicos.

Em último caso, se o tratamento conservador não surtir efeito, pode-se recorrer ao tratamento cirúrgico no qual é feita a fasciotomia plantar.

Método Pilates no Tratamento da Fascite Plantar

Como destacamos anteriormente, sim, o Pilates pode ser utilizado como importante ferramenta no tratamento da Fascite Plantar. Já é sabido que o Método oferece um trabalho corporal global e não oferece risco de impacto como em outras modalidades esportivas.

A abordagem do método no tratamento inclui alongamentos, correção postural atentando aos membros inferiores no conjunto, fortalecimento na medida correta, sem excessos e ainda propriocepção, importante para o trabalho intrínseco da musculatura.

As superfícies instáveis dos acessórios do Pilates permitem esse trabalho, bem como os aparelhos auxiliam nos demais exercícios.

O Pilates na Fascite Plantar, assim como em qualquer situação, deve ser adequado conforme a individualidade de cada paciente. Algumas dicas importantes para o trabalho nesses casos:

Alongamentos da cadeia posterior são indispensáveis para a descompressão da região acometida e podem ser realizados em solo, com acessórios e nos aparelhos. Destacamos aqui os footworks (sempre adequando a carga).

Pode ser associado à sessão de Pilates, por meio de exercícios, o distensionamento de fáscia (com massageadores de pés, ou com bolinhas de propriocepção) e a decoaptação articular do tornozelo para alívio da compressão (princípio da tração, que pode ser feito com auxílio de molas).

A propriocepção deve ser incluída obrigatoriamente na sequência de exercícios, e aqui podemos trabalhar a descarga correta de peso sobre o pé, além do exercício de reforço.

Como estamos tratando e não somente condicionando o paciente, sempre devemos levar em consideração o fator dor. Nosso objetivo inicial é aliviar a dor, então precisamos explorar os exercícios que possam aliviar o desconforto e devemos adequar ou evitar todo e qualquer exercício que possa fazer o contrário, ou seja, gerar dor.

Ainda pensando no desconforto, talvez seja necessário “desrespeitar” a sequência clássica do método e alternar os exercícios de membros inferiores, membros superiores, abdome, coluna e postura, a fim de não sobrecarregar a articulação do tornozelo e o calcâneo em uma sequência direta de membros inferiores, por exemplo.

Muito bem. Nós, como instrutores de Pilates sabemos que o Método é super seguro e não traz riscos de lesão quando bem aplicado. Em se tratando de um quadro de lesão, de inflamação, de irritação, o nosso cuidado deve ser maior. O paciente que iniciar uma sessão conosco e ir embora com mais dor não vai voltar.

Para evitar a condição e além disso, para reverter esse quadro álgico do paciente é muito importante respeitar seus limites. Devemos iniciar com cargas leves, com pouca mola, com pouco desafio, e pensar em relaxar alongar, alongar e alongar!

• Vale massagear a planta do pé ao final da sessão? Vale.

• Vale usar bolinhas de propriocepção para distensionar a fáscia? Vale.

• Vale pompagem e alongamento manual? Vale.

• Por quê? Por estamos tratando o paciente e não somente o condicionando.

• Mas e o desafio? E a independência do paciente no exercício? E o vencer suas próprias dificuldades nos exercícios, que é o mais legal para quem pratica Pilates? Calma.

• Vamos proporcionar isso ao nosso paciente sim, mas no tempo certo, com progressão gradual. Nosso lema nesses casos deve ser: Devagar e Sempre!

Endereço
  • Rua Inspetor Jaime Caldeiras, 1073, Betim - MG - CEP: 32600-286

  • (31) 3531-2948

  • | (31) 98417-2204 - Whatsapp

LOCALIZAÇÃO